quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Qual tem sido o motivo da nossa oração?


No livro de I Samuel 1,1-18 conhecemos a história de Ana uma mulher amargurada, insatisfeita e porque não dizer, marginalizada, levando-se em conta que a infertilidade na cultura em que vivia, era tido como uma maldição. Além do mais também naquela época era tido como normal a poligamia, e seu esposo Elcana embora a amassem muito tinha outra esposa, com a qual tivera filhos, esta outra mulher, valendo-se disso humilhava e irritava constantemente Ana.

Era de costume de Elcana de ano em ano subir até Siló (centro religioso israelita), para adorar ao senhor e apresenta-lhe sacrifício em seu nome e de sua família, e nessas ocasiões Ana se entristecia mais ainda chegando a ponto de deixar de comer, o que preocupava o esposo que de tudo fazia para vê-la feliz. Ana levada pela obsessão do seu sonho ignorava até seus esforços.

Mas aconteceu que certa vez a se ver diante do altar do Senhor ela foi tocada e seu coração se quebrantou de tal forma que ela orou desesperadamente e de uma forma totalmente diferente das outras vezes, em sua petição colocou sua vida inteiramente nas mãos de Deus, mudando sua motivação. Deixou de lado a autoestima, a competição com sua rival e qualquer sentimento de egoísmo, e com ele fez um voto: se o senhor lhe desse o filho tão desejado, assim que desmamado, o devolveria, para servi-lo por toda sua vida. O profeta Eli que a observava notou algo estranho nela, e julgo-lhe embriagada, Ana então lhe contou sua situação, e ele comovido despediu-a com sua benção. E o semblante dela já não era mais triste.

Assim como na vida de Ana. Muitas vezes fazemos petições ao Senhor, levados por nosso desespero, buscando o nosso bem-estar e satisfação, sem levar em conta, a vontade de Deus, e sem nos perguntar em que nossos desejos podem glorificar o seu nome, e muitas vezes a sua resposta é não! Analisando outro aspecto da vida de Ana podemos novamente nos identificar, com ela no momento em que deixamos de valorizar tudo de bom que já nos foi dado por Deus, e obsessivamente colocamos toda nossa razão de viver em algo que queremos ter e ainda não conseguimos ou talvez jamais tenhamos.

Depois de mudar a motivação de sua oração, Deus abençoou Ana e concedeu-lhe, o filho tão desejado, Samuel, que consagrado ao Senhor, foi um dos grandes profetas da história da bíblia, além de muitos outros filhos.

Que possamos assim como Ana, abrir os olhos e reconhecer, que o motivo de nossa oração tem que em primeiro lugar, agradar a Deus e glorificar seu nome. Em segundo lugar devemos ser eternamente gratos a Ele por nos proteger; e por fim, pedir-lhe que acima de tudo direcione nossas orações sejam sempre norteadas pelo amor que deve reger toda nossa existência, citando I Co 13;13“ Agora,  pois ,permanecem a fé , a esperança e o amor, porém o maior destes é o amor”. E, sobretudo obedecendo ao que está escrito em Dt. 6;5”Amarás . pois o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda alma e de toda tua força.

Rosilda Barros
@rosildabarros1

Comentários
12 Comentários

12 comentários:

  1. Que texto relevante, mãe! Realmente, o ser humano, em seu egoísmo, tende a querer que Deus realize todas as suas vontades. Se essa fórmula fosse exata, nós é que seríamos deuses, pois teríamos todas as nossas vontades satisfeitas, nossos desejos seriam soberanos, não os de Deus. Temos que compreender que nem sempre o nosso querer é realmente o melhor para nós. E não nos cabe julgar isso porque somos pequeninos demais para poder avaliar. Deus, detentor de todo o universo, é quem tem o poder de avaliar o que realmente nos é bom e aquilo que não nos trará alegrias e, como bom Pai que é, quer apenas a nossa felicidade. O problema é que nem sempre somos capazes de entender a sua negativa ou temos o discernimento de esperar o tempo de Deus, que é absoluto e perfeito, como lemos em Eclesiastes 3. Muitas vezes o tempo é um fator essencial de preparação para sermos capazes de receber o que pedimos. Quando nos colocamos no centro da vontade de Deus e descansamos os nossos corações, estamos aceitando que a vontade de Deus é absoluta e perfeita e que Ela é o melhor para nós. Aí sim seremos capazes de viver a fé e o amor de Deus em nossas vidas. Pedir que a vontade de Deus se manifeste é um ato de sabedoria e de amor a Deus. E, além de tudo, é motivo de alegria por sabermos que podemos confiar as nossas vidas a alguém que quer o nosso bem, acima de qualquer coisa. Outro aspecto da oração é que, muitos de nós, lembramo-nos de orar apenas quando estamos em angústia ou precisando de algo, mas esquecemo-nos de agradecer as infindáveis bênçãos que Deus nos dá todos os dias: os livramentos, a saúde, a família, os amigos, o sustento, a superação dos obstáculos, a força que nos faz levantar diariamente, além do presente incalculável que é a Sua graça. Se olharmos bem, temos muito mais motivos para agradecer do que para pedir. Que nossas orações também sejam de gratidão. Que possamos ser filhos mais obedientes, mais cerceados à vontade de Deus, mais felizes em descansar em Suas asas e, sobretudo, mais gratos. Que o Paizinho abençõe a sua vida, mãe, para que você continue a ser instrumento Dele para reflexões tão profundas como esta. Um beijo. @andreagrace_

    ResponderExcluir
  2. dinha_alu@hotmail.com9 de novembro de 2011 19:57

    A reflexão não foi tão profunda ;mais se serviu para instigar um comentário tão brilhante já valeu a pena, o orgulho é todo meu filhota!

    ResponderExcluir
  3. Sei que sou suspeito, mas este texto ficou muito bom, muito edificante! É incrível quando vemos a palavra de Deus, narrando uma história de uma mulher que viveu a tantos séculos atrás, ainda nos traz lições preciosas para o nosso dia a dia. O que mais me agradou na reflexão é exatamente isso, as lições tão práticas que foram extraídas deste texto. Muito bom mesmo, mãe! :]

    ResponderExcluir
  4. Ótimo texto! Minha emoção foi enorme ao lê-lo por ter refletido bem um episódio recente de minha vida. Só quando mudei o motivo de minhas orações e entreguei meus problemas a Deus esperando que ele direcionasse minha vida da maneira que mais o agradasse ele me trouxe acalento, e por que não... Vitória.

    ResponderExcluir
  5. Na verdade Kelly a estória de Ana também me tocou, por isso a vontade, de levar essa reflexão adiante.
    Que o Senhor Jesus esteja a cada dia nos abrindo os olhos , para contemplarmos o seu imenso amor por nós !

    ResponderExcluir
  6. Rodrigo, acredito na sinceridade de suas palavras,poderia até dizer "suspeito" se não conhecesse o seu caráter,sei que não faria o comentário se tivesse que nele dizer inverdades, valeu a força meu galego lindo, você tem me ensinado muito!

    ResponderExcluir
  7. Gostei muito da mensagem. uma linda reflexão

    ResponderExcluir
  8. Me abençoou muitoo!!!! Mudei o foco da minha oração! Deus Abençoe!!!

    ResponderExcluir
  9. Amém ,que Deus continue abençoando a todas nós, e que sempre em primeiro lugar nossas orações, tenham , como base,que se faça a vontade de Deus em nossas vidas, e que em tudo possamos o glorificar, quer a resposta seja, sim ,não o espere.

    ResponderExcluir
  10. Puxa vida já tinha lido e pregado sobre esta narrativa bíblica algumas vezes mas não havia atentado para a motivação errada de Ana. Gostei muito da reflexão, me edificou bastante, tanto que me motivou a falar sobre ela aqui em Fagundes...Que Deus continue lhe abençoando

    ResponderExcluir
  11. Boa reflexão! Gostei! Está comprovado que o Senhor tem te capacitado a refletir e escrever sobre como maravilhosamente Ele nos faz entender sua vontade e querer, glorificando a Deus mesmo quando Ele diz: Não! ou: Espere! Que a graça divina seja continuamente sobre você e toda a sua casa.

    ResponderExcluir
  12. O texto que vc preparou sobre a motivação da oração ficou ótimo, pois nos ensina que o crente deve buscar a vontade de Deus. Que Jesus Cristo nos oriente a compreender e fazer a Sua vontade, que é perfeita e agradável, gerando paz ao coração. Deus nos dá muito mais do que pedimos ou pensamos, pois, quem conhece o Seu pensamento?

    ResponderExcluir